Deputação de Pontevedra e CIM Alto Minho assinam a Declaração de Tui para potenciar o Minho como “o rio que nos une”

A ‘Declaração de Tui’ deixou claro hoje que o rio Minho é um elemento de união, um elemento central de um território com características, cultura e objectivos comuns. O documento assinado no Parador de Tui é o xerme de uma nova associação de cooperação entre as câmaras municipais pontevedreses e portugueses para potenciar o rio Minho, uma nova ferramenta para unir o território transfronteiriço aproveitando as suas características e interesses partilhados. A presidenta da Deputação de Pontevedra, Carmela Silva, e o presidente da CIM Alto Minho, José María da Com uma Costa, assim o manifestaram trás assinar o documento que confirma a sua vontade para trabalhar em conjunto e constituir um novo organismo de cooperação que actue como foro permanente de debate no que estejam representados todos os actores institucionais e sociais que integram a área transfronteiriça e que desenvolva projectos conjuntos para acolher-se a programas comunitários no âmbito da Cooperação Territorial Européia.

A assinatura realizou-se simbolicamente o 13 de fevereiro, coincidindo com o aniversário do Tratado de Lisboa de 1668 pelo que se declarou a paz entre Espanha e Portugal, que permitiu a independência do estado luso face à coroa espanhola. “O Minho é a fronteira de água que separava dois territórios que tinham todo em comum e que a falta de inteligência separou. Hoje, 348 anos depois da data histórica de separação, nós somos homens e mulheres que nos dedicamos a pôr em valor a inteligência, que se demonstra com a cooperação, a capacidade de perceber-se e os projectos comuns. Temos que pôr em marcha os nossos sonhos”, salientou a presidenta da Deputação, Carmela Silva.

A presidenta sublinhou que a ‘Declaração de Tui’ permitirá o desenvolvimento das câmaras municipais “a um e outro lado deste rio de fermosura extraordinária, coma uma arma pacífica que permita demonstrar que há que mirar para este território”. Também assinalou que “não se perceberia” que os projectos que se apresentaram para obter fundos europeus não fossem aceites.

O Minho, uma grande potencialidade

A assinatura da ‘Declaração de Tui’ para a criação de uma nova Associação Européia de Cooperação Transfronteiriça (AECT) simboliza o início do caminho de uma união natural do território que deve ser reconhecida pelas administrações. Nela o rio aparece como “a nossa maior potencialidade” numa área de influência na que se movem uns três milhões de pessoas (entre Vigo e O Porto) e na que há muitos sectores socioeconómicos que desenvolver.

A cooperação transfronteiriça é um dos médios mais eficazes para a aproximação das populações arraianas e a promoção do desenvolvimento económico, social e cultural das câmaras municipais do Minho. Em 2006 a Deputação de Pontevedra subscreveu com a Comunidade Intermunicipal do Vale do Minho um convénio de cooperação para a constituição de Unimiño-Associação do Vale do Minho Transfronteiriço, para promover a cooperação entre ambas as regiões nos âmbitos da cultura, o desporto, o lazer, o património, o turismo, o ambiente, os recursos naturais e a protecção e o aproveitamento conjunto do rio Minho. Devido a que a Unimiño rematou o seu cometido fundacional “é preciso continuar este labor empregando os novos instrumentos de cooperação previstos actualmente, aproveitando a experiência e, ao mesmo tempo, atirando uma nova estratégia de cooperação no marco da Estratégia 2020 da UE”.

Apresentação da candidatura aos programas Interreg V A-POCTEP

Ademais da assinatura da ‘Declaração de Tui’ o acto no Parador de Tui serviu para apresentar publicamente os projectos apresentados na candidatura do rio Minho aos fundos comunitários dos programas Interreg V A-POCTEP. Com esta candidatura galego-portuguesa apresentada pela Unimiño pretende-se conseguir um investimento de mais de 7,5 milhões de euros no território transfronteiriço com o fim de consolidar a zona como destino turístico de qualidade e atrair milhões de potenciais visitantes da área de influência e do exterior.

O presidente de Uniminho e da Câmara autárquica de Melgaço, Manuel Batista, foi o encarregado de explicar os pormenores da candidatura no acto do Parador de Tui. Assinalou que se pretende criar a marca “Rio Minho” através de actividades transfronteiriças de preservação, qualificação e valorización ambiental com uma gestão e estratégia conjunta que permita involucrar a todos os sectores da zona.