A AECT Río Miño constitúe a súa asemblea xeral e comeza a traballar no seu plan de actividades para o 2018

A Agrupación Europea de Cooperación Territorial (AECT) Río Miño, constituíu hoxe a súa asemblea xeral, nun acto celebrado na sé da agrupación en Valença e presidido pola presidenta da Deputación de Pontevedra, Carmela Silva; o presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, José María Costa; e o novo director da Agrupación, o deputado de Cooperación Transfronteiriza Uxío Benítez.

A celebración comezou coa toma de posesión dos integrantes da mesa, composta por vinte alcaldes e alcaldesas de Galiza e Portugal. En representación da franxa galega foron nomeados como delegados os rexedores e rexedoras dos concello de Arbo, As Neves, Salvaterra do Miño, Tui, Salceda de Caselas, Tomiño, O Rosal, A Guarda, Ponteareas e O Porriño. No referente ao territorio portugués, tomaron posesión os dez concellos que forman parte da CIM Alto Minho: Arcos de Valdevez, Monçao, Melgaço, Valença, Vilanova da Cerveira, Paredes de Coura, Ponte de Lima, Ponte da Barca e Viana do Castelo. Como presidente da mesa da asemblea resultou elixido o alcalde de Viana do Castelo e presidente do CIM Alto Minho, José María Costa, e pola súa parte, Marcos Besada, alcalde de Salceda de Caselas, foi designado como secretario, cargo que ambos ostentarán durante os próximos dous anos.

A presidenta da Deputación, Carmela Silva, destacou na constitución da asemblea da AECT Río Miño que “o mundo e os territorios soamente se cambian con xente que ten a forza e convicción de crer que se pode facer. Esta AECT nace porque hai moitas alcaldesas e alcaldes, moitas presidentas e presidentes de Cámaras Municipais, que cren nas potencialidades do seu territorio, que saben cales son as súas necesidades, e están dispostas e dispostos a construílo”.

Neste contexto, Silva amosou a súa satisfacción porque as persoas integrantes da Agrupación “vimos do mundo local e sabemos que neste mundo global o local xoga un papel fundamental para o desenvolvemento do territorio, pero tamén dos dereitos que a cidadanía debe ter e os servizos que se precisan para dar resposta ás súas demandas”. Para acadar estes obxectivos, a presidenta provincial destacou a necesidade de que o local ocupe maior espazo e xogue un papel na xestión e definición dos fondos europeos. “Ata o de agora as decisións están moi centralizadas nos estados e o local xoga moi pouco papel cando, sen embargo, somos nós quen damos resposta ás políticas de proximidade e de desenvolvemento do futuro”, asegurou a presidenta da Deputación.

Sobre a AECT Carmela Silva destacou o importante papel que desenvolve para “conseguir que se escoite ao mundo local tanto en Portugal como en España e para promover de xeito intelixente o territorio”. Neste eido, a presidenta provincial avanzou que neste mesmo mes de xuño a FEMP vai organizar en Pontevedra unha reunión do Norte de Portugal e Galicia para reflexionar sobre os novos retos do mundo local e a necesidade dun maior protagonismo para o municipalismo.

 

Plan de actividades 2018

O director da AECT Río Miño e deputado de Cooperación Tranfronteiriza, Uxío Benítez, explicou que a constitución da asemblea da agrupación foi “o último paso na formalización do esquema da AECT, e que partir deste momento comeza o traballo de desenvolvemento do plan de actividades para o 2018”.

Uxío Benítez sinalou que “este será un ano de transición dalgunhas das responsabilidades de xestión e seguimento de proxectos e expedientes ata agora asumidos pola xa desaparecida Uniminho”. Así mesmo, o deputado provincial adiantou que “entre as actuacións máis relevantes que afrontará a AECT nos próximos meses estará a consolidación institucional da agrupación na rexión, a promoción da coordinación dos proxectos transfronteirizos Smart Minho e Visit Rio Minho ou a promoción e a participación en novas candidaturas con finan

ciamento europeo”.

A AECT Río Miño nace co obxectivo de contribuír ao desenvolvemento e reforzar a cohesión económica e social do seu territorio. Ten como atribucións articular o espazo común, promover as relacións de cooperación territorial, aumentar a cohesión institucional do territorio de ambas marxes do rio Miño, promover o seu patrimonio cultural e natural, valorizar as potencialidades dos recursos endóxenos e consolidar unha marca turística común para os dous países.

Os dous socios principais da AECT son a Deputación de Pontevedra e a CIM Alto Minho, que aglutinan 16 concellos pontevedreses (A Guarda, O Rosal, Oia, Tomiño, Tui, O Porriño, Salceda de Caselas, Salvaterra de Miño, Ponteareas, As Neves, Mondariz, Mondariz-Balneario, Arbo, Crecente, A Cañiza e Covelo) e outros dez do norte de Portugal, abranguendo máis de tres mil quilómetros cadrados de territorio e 375.995 habitantes.

A creación da AECT Rio Minho foi impulsada polas accións de Estratexia de Cooperación Intelixente Transfronteiriza do proxecto Smart Minho, que conta cunha inversión de orzamento de 942.022,47 euros, cofinanciado ao 75% polo programa INTERREG VA POCTEP, fondos FEDER da Unión Europea.

Foto de Familia da Asemblea ACET Río Miño




I FÓRUM DO RIO MINHO TRANSFRONTEIRIÇO

Valença, 21 de junho de 2018

Escola Superior de Ciências Empresariais-IPVC

 

Organizam: Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, Deputación de Pontevedra e Fundação Centro de Estudos Euro-Regionais

Atividade enquadrada no projeto SMART MINHO-ESTRATÉGIA DE COOPERAÇÃO INTELIGENTE DO RIO MINHO TRANSFRONTEIRIÇO, co-financiado em 75 % pelo FEDER através do POCTEP 2014-2020.

 

 

PROGRAMA

 

9:00 h    Receção de participantes, recolha de credenciais e documentação

 

9:30 h    Inauguração e mesa de autoridades: “O futuro estratégico do território do rio Minho transfronteiriço”

Participantes:

– Jorge Mendes, presidente da Câmara Municipal de Valença

Presidencia da Fundação Centro de Estudos Euro-Regionais

– M.ª del Carmen Silva Rego, presidenta da Deputación de Pontevedra

– José Maria Costa, presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

 

10:00 h  Painel I. As bases da estratégia de cooperação do rio Minho

Moderador: Uxío Benítez Fernández, deputado de Cooperação Transfronteiriça e diretor do AECT Rio Minho

“Análise territorial da incidência dos projetos Interreg no período 2007-13 na Eurorregião Galiza-Norte de Portugal”

Orador: Valerià Paül, diretor da FCEER

“Apresentação do documento de base da estratégia”

Orador: Manuel Rodríguez, investigador da FCEER

 

10:45 h  Pausa para o café

 

11:15 h  Painel II. Mesas temáticas de debate sobre os principais eixos estratégicos e objetivos da Estratégia de Cooperação Inteligente

                  · Mesa núm. 1: “Os setores produtivos”

Orador: Francisco Carballo Cruz (Universidade do Minho) e Xavier Martínez Cobas (Universidade de Vigo)

                   · Mesa núm. 2: “A governança no território transfronteiriço”

Oradora: Sandrina Antunes (Universidade do Minho)

                  · Mesa núm. 3: “A mobilidade, os serviços e o turismo sustentável”

Orador: Rubén C. Lois (Universidade de Santiago de Compostela)

                   · Mesa núm. 4: “Cultura e comércio tradicional”

Orador: José Rio Fernandes (Universidade do Porto)

 

12:45 h  Exposição das conclusões provisionais por parte dos relatores da equipa científica

Moderador: Fernando Brito Nogueira, presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira e vice-diretor da AECT Río Miño

 

13:15 h  Encerramento dos trabalhos

Representante da Presidência da Xunta de Galicia*
Representante da Presidência da CCDR-N*

(*a confirmar)

 

13:30 h  Brunch/Networking

 




Uxío Benítez eleito diretor do novo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Rio Minho

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho vem de iniciar a constituição formal dos seus órgãos com a nomeação do seu primeiro diretor: o deputado de Cooperação Transfronteiriça da Deputación de Pontevedra, Uxío Benítez. O mandato do nacionalista à frente da nova entidade de cooperação durará dois anos e no 2020 passará ao regedor da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Fernando Nogueira.

Uxío Benítez destacou que “o desafio durante estes dois anos de mandato será consolidar o AECT como um instrumento de política transfronteiriça no território do Minho”. Também assegurou que a entidade “estará ao serviço da cidadania e de todos os concelhos e câmaras municipais que a conformam”. O responsável provincial lembrou mais uma vez a relevância do nascimento desta nova entidade e da “importância desta área de atuação”, enquadrada no meio do eixo Vigo-Porto (com 3,5 milhões de habitantes) e em que se desenvolve praticamente a metade dos fluxos de veículos ligeiros entre Espanha e Portugal.

Conforme o estabelecido nos estatutos do novo AECT, a direção terá sempre carácter rotativo bienal e alternará entre os dois parceiros que a conformam: a Deputación de Pontevedra e a CIM Alto Minho. Assim, durante os dois primeiros anos o cargo de vice-diretor recairá num representante português e depois passará a um representante da Deputación de Pontevedra. Ademais da direção, o novo organismo conta já com um Conselho de Coordenação composto pela deputada Montse Magallanes e o presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, ambos como vogais da instituição.

Como disse o deputado de Cooperação Transfronteiriça, Uxío Benítez, o seguinte passo dentro do processo de formalização do AECT será a constituição da Assembleia Geral, prevista para o próximo mês de maio, e na que previsivelmente estarão representadas as câmaras municipais e os concelhos do território do Minho.

Defesa da gestão compartida dos serviços

O AECT Rio Minho é um novo instrumento estável de desenvolvimento com personalidade jurídica própria que tem por objetivo a defesa da gestão compartida dos serviços entre todos os atores existentes arredor do rio Minho. Além disto, a entidade tem capacidade para optar a fundos europeus e geri-los, bem como para promover e organizar ações de cooperação no território de forma direta.

Os dois parceiros principais do AECT são a Deputación de Pontevedra e a CIM Alto Minho, que aglutinam 16 concelhos da província de Pontevedra (A Guarda, O Rosal, Oia, Tomiño, Tui, O Porriño, Salceda de Caselas, Salvaterra de Miño, Ponteareas, As Neves, Mondariz, Mondariz-Balneario, Arbo, Crecente, A Cañiza e Covelo) e outros dez do norte de Portugal (Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção, Melgaço, Paredes de Coura, Arcos de Valdevez, Viana do Castelo, Ponte de Lima e Ponte da Barca), o que abrange mais de três mil quilómetros quadrados de território e 375.995 habitantes.

O impulso para a criação do AECT Rio Minho está enquadrado dentro das ações de Estratégia de Cooperação Inteligente Transfronteiriza do projeto Smart Minho, liderado pela Deputación de Pontevedra e que conseguiu um investimento de 942.022,47 euros, dos quais o 75 % está cofinanciado pelo programa INTERREG V-A POCTEP dentro dos fundos FEDER da União Europeia.




O Minho, uma fronteira que une

O Minho é uma fronteira natural que, longe de separar, une. A fronteira mais povoada entre Espanha e Portugal, com perto de 376.000 habitantes, serve de nexo de união para uma região de grande valor turístico, patrimonial e ambiental e com um valor cultural e linguístico comum.




Dia histórico para as câmaras municipais transfronteiriças de Pontevedra e do norte de Portugal com o nascimento da nova AECT Rio Minho

O território transfronteiriço formado pelos 16 câmaras municipais do sul de Pontevedra e 10 câmaras do norte de Portugal dispõe desde este sábado 24 de fevereiro de uma nova ferramenta jurídica para optar e gerir fundos europeus: o Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho. A presidenta da Deputação de Pontevedra Carmela Silva e o presidente da CIM Alto Minho José María Costa assinaram ante notário o convénio de colaboração e os estatutos da nova entidade pública num acto no que estiveram presentes o secretário geral de Coordenação Territorial do Ministério de Presidência do Governo do Estado, Juan Ignacio Romero; o director geral de Relações Exteriores e com a União Européia da Xunta de Galicia, Jesús Gamallo; a vice-presidenta da CCDR-N Ester Gomes e o deputado de Cooperação Transfronteiriça da Deputação, Uxío Benítez, como impulsor do novo agrupamento.

Todos os presentes na cerimónia pública de constituição da AECT coincidiram em assinalar que era um dia “histórico” para o território da fronteira do Minho, já que o agrupamento permitirá desenvolver socioeconomicamente a zona e melhorar as condições de vida da sua cidadania. A presidenta Carmela Silva salientou que a criação do novo agrupamento de cooperação européia é um instrumento para “dar resposta aos reptos do século XXI que obrigam a rachar com as fronteiras e a unir pessoas e os seus interesses políticos, sociais, económicos e de desenvolvimento”. Silva destacou que o espaço que abrange a AECT é “extraordinário” e que agora toca convertê-lo “num espaço do que a gente esteja orgulhosa fazendo com que seja um espaço de referência”.

Por sua parte, o deputado de Cooperação Transfronteiriça Uxío Benítez insistiu em que foi um dia especial “para os que levamos o rio Minho no coração, porque tem que voltar a ser o centro do que nos une”. Destacou que o território da fronteira “tem que acreditar em sim mesmo porque é o centro de uma área com uma forte dinamización económica”, lembrando que está no meio do eixo Vigo-Porto (com 3,5 milhões de habitantes) e reúne o 47 % dos fluxos de veículos ligeiros entre Espanha e Portugal.

O impulsor da AECT destacou que 350 anos depois do tratado de Lisboa (de 1668) que finalizou com a guerra entre Espanha e Portugal marcando a paz e as fronteiras “nasce um instrumento para derrubá-las, um instrumento jurídico estável que impulsionará o desenvolvimento do território e estará ao serviço da cooperação urbana, dará poder de decisão aos territórios e permitirá acesso aos fundos europeus”, indicou, lembrando que em breve se abrirá uma nova convocação do POCTEP.

Por último, Benítez quis lembrar que um dos objectivos principais da AECT será criar uma marca transfronteiriça para o rio Minho que seja mais competitiva e tenha reconhecimento internacional. “Num mundo global não podemos gerir o turismo desde uma só câmara municipal”, afirmou.

Apoio da Xunta de Galicia

Por sua parte, o director geral de Relações Exteriores, Jesús Gamallo, quis transmitir às pessoas assistentes ao acto de constituição da AECT “o compromisso da Junta e do presidente Feijóo” e o seu agradecemento pela constituição do novo agrupamento, “já que para nós é muito importante aumentar as estruturas que façam na prática a cooperação transfronteiriça”.

Gamallo salientou que a Junta tem “um plano” de cooperação baseado em três eixos. O primeiro, as infra-estruturas, apostando corredor Atlântico e o comboio Vigo-Porto, do que disse, “aguardamos que em 2019 possamos unir ambas cidades em hora e média” para estruturar o território e potenciar os usos turísticos. O director geral também destacou “a aposta inovação e o trabalho pela demografía e o envelhecimento activo com o apoio dos fundos europeus”.

Finalmente, o secretário geral de Coordenação Territorial do Ministério de Presidência, Juan Ignacio Romero, lembrou que o seu departamento foi o que autorizou a nova AECT e destacou o seu agradecemento por poder conhecer de primeira mão desde o “Governo de Espanha” o trabalho de cooperação que existe no território do Minho. “A nova AECT é um desafio, posto que está num âmbito territorial que, com os meus anos de experiência em cooperação, nunca tinha visto tanto pelo volume de população como pela transcendencia do território. Todos devemos trabalhar nesta mesma linha de cooperação, e por isso o meu melhores desejos aos fundadores”, finalizou.

Pela parte portuguesa, salientaram também os benefícios futuros da AECT o presidente da CIM Alto Minho, o presidente de Uniminho, e a vice-presidenta da CCDR-N, Ester Gomes, quem ao igual que Carmela Silva destacou que fosse uma mulher, também, a que fechasse as intervenções de um dia histórico para o território do Minho.

Assembleia e nomeação de presidente

Uma vez que neste sábado se assinou oficialmente o nascimento do Agrupamento Europeu do território do Minho com a assinatura do convénio e os seus estatutos pelos seus dois principais sócios (Deputação de Pontevedra e CIM Alto Minho) reunir-se-á a assembleia geral da AECT o próximo mês para eleger presidente.

Quando já se conheça o nome do máximo dirigente concretizar-se-ão as próximas acções e projectos, assim como o trabalho a realizar para atingir novos fundos europeus, já que a próxima convocação do POCTEP está próxima.

Há que lembrar que os dois sócios principais da AECT são a Deputação de Pontevedra e a CIM Alto Minho, entes baixo os que se reúnem 16 câmaras municipais pontevedreses (A Guarda, O Rosal, Ouça, Tomiño, Tui, O Porriño, Salceda de Caselas, Salvaterra de Minho, Ponteareas, As Neves, Mondariz, Mondariz Balnear, Arbo, Crescente, A Cañiza e Covelo) e outros dez do norte de Portugal.

Para ver mais fotos clicar aquí.




A nova agrupación de cooperación transfronteiriza ‘Río Miño’ recibe a súa autorización definitiva

O novo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho, que reúne à Deputação de Pontevedra e aos 16 câmaras municipais do Baixo Minho e Condado-Paradanta junto com a CIM Alto Minho e dez câmaras do Norte de Portugal, acaba de obter a autorização que faltava para o seu nascimento oficial. Este novo organismo servirá de ferramenta para a coesão económica, social e territorial do contorno do Rio Minho e, de modo particular, para solicitar fundos europeus para projectos conjuntos.

O deputado Uxío Benítez, impulsor da nova associação, explicou que a CIM Alto Minho acaba de receber a aprovação do Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão da República Portuguesa para participar no projecto, o que dá via livre à sua constituição formal, já que a autorização do Ministério de Presidência e para as Adminsitracións Territoriais pela parte espanhola chegou à Deputação o passado ano. A futuro, o passo que resta para formalizar a AECT de modo definitiva será iminente, já que no próximo mês de fevereiro se celebrará a assinatura do acordo entre Deputação e CIM Alto Minho (os dois sócios principais) e asinaránse os estatutos ante notário.

Segundo explicou Benítez, a aprovação da AECT por parte de Portugal supõe um passo adiante aguardado desde há meses. Sublinhou a sua satisfação e assegurou que existe um interesse real para pôr em marcha de modo imediato o novo organismo de cooperação galego-português depois de ter feito durante os últimos anos “um trabalho de consenso que frutificará na AECT e que permitirá dinamizar todo o território do Minho e ‘apagar’ a fronteira”.

As câmaras municipais de Pontevedra estão a apostar desde há tempo por aproveitar sinerxias comuns com o Norte de Portugal, e a nova AECT Rio Minho permitirá trabalhar de modo conjunto com mais facilidade: será uma entidade com personalidade jurídica que permitirá optar e gerir fundos europeus de modo mais ágil que até o de agora, promover e organizar acções de cooperação do território de forma directa, assim como servir de foro estável sobre o rio Minho, no que a dia de hoje estão implicadas muitas administrações.

A nova AECT estará formada por uma assembleia e um órgão executivo. A direcção será um organismo unipersoal que ocuparão representantes de Pontevedra e Portugal rotatorio cada dois anos, ao igual que ocorrerá com a vicedirección. Também haverá um Conselho Coordenador, formado por membros das duas partes, que será o encarregado da asesorar à direcção e da gestão do dia a dia. Finalmente, haverá um Conselho Consultivo aberto no que se organizarão foros específicos nos que poderão participar peritos em diferentes matérias segundo as necessidades, assim como outros representantes do vizinhos e vizinhas da zona.

Os dois sócios principais da AECT serão a Deputação de Pontevedra e a CIM Alto Minho, entes baixo os que se reúnem 16 câmaras municipais pontevedreses (A Guarda, O Rosal, Ouça, Tomiño, Tui, O Porriño, Salceda de Caselas, Salvaterra, Ponteareas, As Neves, Mondariz, Mondariz Balnear, Arbo, Crescente, A Cañiza e Covelo) e outros dez do Norte de Portugal. Ao todo abrangem-se 3.312 quilómetros cadrar de território e 375.995 habitantes.

 




O grupo de trabalho da AECT reúne-se para supervisionar a marcha de todos os projectos do Minho transfronteiriço

O grupo de trabalho do Agrupamento de Cooperação Territorial Rio Minho (AECT) reuniu-se nesta quarta-feira na sede da CIM Alto Minho e futura sede da AECT em Valença para supervisionar os projectos que se estão levando a cabo ao acubillo do Minho transfronteiriço e ter uma visão global da situação na que se encontram cada um destes projectos, tanto o Smart Minho como o Visit Minho, ambos os dois promovidos pela Deputação de Pontevedra em colaboração com a Comunidade Intermunicipal do Alto Minho.

Nesta reunião de trabalho estiveram presentes o secretário executivo intermunicipal da CIM Alto Minho, Júlio Pereira; o responsável por Cooperação Transfronteiriça da Deputação de Pontevedra, Uxío Benítez; os presidentes das câmaras autárquicas de Vila Nova de Cerveira e Melgaço, Fernando Nogueira e Manoel Batista Calçada, respectivamente; assim como técnicos e assessores de ambos os dois organismos promotores dos projectos.

Durante a reunião, Xabier Martínez Cobas, membro da equipa científica que elabora a agenda estratégica, explicou a todos os presentes como está a desenvolver-se a posta em marcha da Estratégia de Cooperação Inteligente do Rio Minho Transfronteiriço.

Ademais de valorar a posta em marcha da estratégia e falar de prazos, durante a reunião este grupo de trabalho estabeleceu princípios de abril para o lançamento do I Foro Transfronteiriço e falaram da segunda convocação INTERREG VA, que estará aberta a finais de fevereiro.

Mais fotos clicando aquí.




A reunião entre Melgaço e Arbo põe fim ao primeiro turno de reuniões do Smart Minho

O primeiro turno de reuniões de trabalho entre municípios fronteiriços para abordar o projecto Smart Minho de um modo integral chega ao seu fim. E faz com a participação do presidente da câmara autárquica de Melgaço, Manoel Batista Calçada, e do presidente da Câmara de Arbo, Horacio Gil, numa reunião com representantes dos promotores da iniciativa, a Deputação de Pontevedra e a CIM Alto Minho.

A princípios de dezembro começavam as primeiras reuniões de trabalho da Estratégia do Rio Minho Transfronteiriço, cinco reuniões entre a equipa técnica redactor e os presidentes da Câmara dos diferentes municípios galegos e portugueses integrantes do projecto para discutir os aspectos mais sobranceiros da cooperação entre vilas limítrofes e as estratégias conjuntas que devem artellarse com o fim de que a cooperação se converta num motor de desenvolvimento do território do Minho fronteiriço.

Com este primeiro turno rematado espera-se poder realizar no primeiro trimestre do ano o I Foro Transfronteiriço do Rio Minho, onde a equipa técnica formado por cientistas de cinco das seis universidades da Euro-região (Vigo, Porto, Santiago de Compostela, Minho e A Corunha) coordenados pela Fundação Centro de Estudos Eurorrexionais (CEER) apresentará a análise-diagnose sobre este território.

Será a primeira vez que o território galego e português separado e unido à vez pelo Minho conte com um estudo em profundidade das suas fortalezas, debilidades e complementariedades com vistas ao desenho de um desenvolvimento estratégico que permita por em valor os seus recursos comuns através da cooperação transfronteiriça.

A Estratégia de Cooperação Inteligente do Rio Minho Transfronteiriço pretende ser o programa de actuação da cooperação transfronteiriça para as próximas décadas, orientada cara um novo marco financeiro europeu post 2020 impulsionado pela Deputação de Pontevedra e pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho através do futuro Agrupamento de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho, em vias de constituição.

Mais fotos clicando aqui.




Arranca a elaboração da Estratégia de Cooperação Inteligente para o Rio Minho Transfronteiriço

A elaboração da Estratégia de Cooperação Inteligente para o Rio Minho Transfronteiriço está já em marcha. Nesta quinta-feira finalizarão as primeiras reuniões de trabalho entre a equipa técnica redactora e os presidentes da Câmara das câmaras municipais galegas e portugueses do Minho que participam no programa europeu e, ademais, já está previsto que no primeiro trimestre de 2018 se celebre o Primeiro Foro Transfronteiriço com cientistas das seis universidades da Eurorrexión para apresentar uma análise-diagnose sobre as necessidades e potencialidades do território.

As reuniões entre municípios vizinhos da ‘raia’ (Tomiño-Cerveira, Tui-Valença, As Neves-Salvaterra-Monçao, A Guarda-O Rosal-Caminha e Arbo-Crescente-Melgaço) começaram a princípios deste mês. Celebraram-se cinco encontros aos que acudiram os máximos responsáveis autárquicos para discutir os aspectos mais sobranceiros da cooperação entre vilas limítrofes e as estratégias conjuntas que devem articular com o fim de que a cooperação se converta num motor de desenvolvimento do território do Minho Transfronteiriço. Só fica um encontro por realizar, que será o deste quinta-feira em Melgaço entre representantes desta câmara portuguesa e dos municípios de Arbo e Crescente.

Por outra parte, no primeiro trimestre do ano entrante realizar-se-á o Primeiro Foro Transfronterizo do Rio Minho, onde a equipa técnica, formada por científicos cinco das seis das universidades da Eurorexión (Vigo, Porto, Santiago de Compostela, Minho e A Corunha) coordenados pelo Centro de Estudos Eurorrexionais (CEER) apresentará a análise-diagnóstico sobre o território do Minho Transfronterizo.

Uma vez se finalize a Estratégia de Cooperação Inteligente para o Minho será a primeira vez que este território conjunto galego e português conte com um estudo em profundidade das suas fortalezas, debilidades e complementariedades com vistas ao desenho de desenvolvimento estratégico que permita pôr em valor os seus recursos comuns através da cooperação transfronteiriça.

A Estratégia de Cooperação Inteligente pretende ser um programa de actuação para as próximas décadas orientada cara um novo marco financeiro europeu ‘post-2020’ impulsionada pela Deputação de Pontevedra no território do Minho pontevedrés e pela Comunidade Intermunicipal do Alto Minho português (CIM Alto Minho) através do Agrupamento de Cooperação Territorial Rio Minho (AECT) que está em processo de constituição.

Ambas iniciativas, a criação da AECT e da Estratégia, foram acordadas pela Deputação e a CIM Alto o passado na Declaração de Tui, onde se acordou um marco de colaboração permanente entre ambas entidades locais da Galiza e Portugal para a fronteira comum definida pelo Rio Minho. As iniciativas de cooperação desfrutam de 75% de financiamento dos fundos europeus do INTERREG V-A / POCTEP.

Que é a estratégia do Rio Minho transfronteiriço?

A Estratégia do Rio Minho Transfronteiriço pretende ser um documento de orientação das políticas públicas de financiamento da área transfronteiriça orientado e integrado numa perspectiva de valoração e uso económico e sustentável dos recursos do rio internacional. Trata-se de um instrumento para apoiar a preparação de solicitudes candidatas a financiamento para regiões fronteiriças e identifica projectos ‘áncora’ de desenvolvimento do território, desenvolve um plano de acção e implementa um processo capaz de involucrar a actores públicos e privados (agentes económicos e sociais presentes no território).




A Guarda, O Rosal e Caminha reúnem-se para melhorar a eficiência da cooperação transfronteiriça

Quarta reunião de trabalho entre câmaras municipais limítrofes para aprofundar na cooperação transfronteiriça e sentar as bases da Estratégia de Cooperação Inteligente do Rio Minho-Smart Minho. Representantes dos promotores do projecto, Deputação de Pontevedra e CIM Alto Minho, reuniram com os presidentes da Câmara da Guarda, Antonio Lomba; do Rosal, Jesús María Fernández Portela; e de Caminha, Miguel Alves, para apresentar-lhes a Estratégia do Minho Transfronteiriço e discutir as vantagens da cooperação entre vilas limítrofes de países diferentes.

Esta estratégia será um documento de orientação das políticas públicas de financiamento desta área transfronteiriça artellada numa perspectiva de valoração do uso económico e sustentável dos recursos. Ademais, servirá de rede de apoio à preparação de solicitudes candidatas a instrumentos de financiamento para regiões transfronteiriças, assim como para identificar os projectos áncora de desenvolvimento do território e pô-los em marcha.

A Estratégia de Cooperação Inteligente irá artellada através do Agrupamento de Cooperação Territorial Rio Minho, ambas iniciativas acordadas pela Deputação e o CIM Alto Minho na Declaração de Tui, onde se desenhava um marco de colaboração permanente entre ambas entidades locais da Galiza e Portugal para a fronteira comum definida pelo rio Minho. Contam com um orçamento financiado a 75% pelo INTERREG VA POCTEP, fundos FEDER da União Européia.

A derradeira reunião celebrar-se-á o próximo 21 de dezembro em Melgaço, onde ademais do presidente da câmara da vila, Manoel Batista Calçada, acudirão os presidentes da Câmara de Arbo, Horacio Gil, e de Crescente, Julio C. García-Luengo.

Mais fotos clicando aqui.